• AABB-JIPA - Associação Atlética Banco do Brasil
  • Supermercado Irmãos Gonçalves
  • CASA DE ALTO PADRÃO A VENDA EM JI-PARANÁ
  • Odontologia Drº  Thiago Ribeiro
  • Materjipa Materiais para Construção
  • Mercadão dos Óculos
  • Ana
  • Instituto de Olhos Caius Prieto Ji-Parana
  • Viva Bela Cosméticos
  • Racha por sucessão de Maia trava maioria de Bolsonaro na Câmara

    Política
    1 minutos de leitura

    Paulo Portaljipa EM 30/07/2020 ÀS 13:15:02

    Racha por sucessão de Maia trava maioria de Bolsonaro na Câmara


    BRASÍLIA, DF - A disputa pela sucessão de Rodrigo Maia (DEM-RJ) no comando da Câmara dos Deputados preocupa o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) e pode implodir a tentativa do Planalto de formar maioria na Casa para aprovar projetos de seu interesse.

    Desde a prisão  Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), o Executivo tenta costurar uma rede de proteção no Legislativo para blindar o presidente.

    O movimento abriu espaço para o centrão, grupo formado por partidos como PP, PL e Republicanos. Em troca de cargos, as legendas acenavam com blindagem ao governo caso os desdobramentos da ação contra Queiroz se agravassem e levassem a um processo de impeachment.

    O Planalto via no deputado Arthur Lira (PP-AL) um nome de confiança para aglutinar uma base sólida que garantisse a Bolsonaro ao menos 172 votos (um terço mais um) necessários para barrar uma eventual denúncia contra ele e, de quebra, minar o poder do presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

    Contudo, para se afastar do governo, DEM e MDB decidiram desembarcar do grupo conhecido como blocão, que reúne formalmente nove legendas e 221 parlamentares, dentre eles muitos do centrão.

    O blocão foi montado no ano passado para definir a formação da Comissão Mista de Orçamento (CMO). É composto por PL, PP, PSD, MDB, DEM, Solidariedade, PTB, PROS e Avante.Alguns estão mais alinhados com o governo (como PP, PSD e PL) e outros têm posição de mais moderados, como o Solidariedade. Essa diferença de posicionamento é um dos motivos da saída dos dois partidos.

    A conta feita hoje nos corredores da Câmara é que, com boa vontade, o governo tem cerca de 200 deputados em sua base de apoio.

    O Planalto sonhava em ter entre 250 e 300 deputados, mas pode acabar ficando com pouco mais do que o necessário para livrar Jair Bolsonaro de um eventual pedido de impeachment.Legendas menores, como Patriota e Avante –que somam 12 deputados–, devem deixar o blocão de Lira.

    O deputado do PP levou o peso do bloco para a negociação com o governo em um momento de fragilidade de Bolsonaro por conta da demora em reagir ao avanço da pandemia do coronavírus e do impacto do caso Queiroz.

     

    Fonte - FOLHAPRESS

     
     
     
     
     
    Portaljipa © Direitos Reservados - Conheça os nossos Termos de uso
    Portaljipa - Seu guia virtual! - 27.316.530/0001-08