• Instituto de Olhos Caius Prieto Ji-Parana
  • Governo de Rondonia
  • Morena Bonita Salão de Beleza
  • Materjipa Materiais para Construção
  • Viva Bela Cosméticos
  • Supermercado Irmãos Gonçalves
  • Nova Car
  • GIRO RAPIDO LAVA JATO
  • Mercadão dos Óculos
  • Odontologia Drº  Thiago Ribeiro
  • Bate-boca interrompe sessão do impeachment no Senado

    S) - Um bate-boca entre senadores da base aliada e da oposição levou à suspensão, por alguns poucos minutos, da sessão de julgamento do impeachment no Senado na...

    Política
    3 minutos de leitura

    Paulo Portaljipa EM 25/08/2016 ÀS 16:38:14

    Bate-boca interrompe sessão do impeachment no Senado

    S) - Um bate-boca entre senadores da base aliada e da oposição levou à suspensão, por alguns poucos minutos, da sessão de julgamento do impeachment no Senado na manhã desta quinta (25).




    PUB




    Durante a discussão sobre a apresentação de questionamentos sobre o julgamento, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), uma das principais defensoras da presidente afastada, Dilma Rousseff, reagiu a uma fala do senador Magno Malta (PR-BA), que disse que os aliados da petista estão tentando atrasar o processo.


    "Qual a moral tem esse Senado para julgar a presidente Dilma?" afirmou. A fala da senadora gerou a reação dos que defendem a saída de Dilma. "Eu exijo respeito ao decoro. Eu não sou assaltante de aposentado", bradou Ronaldo Caiado (DEM-GO).


    O senador Lindbegh Farias (PT-RJ) levantou-se e, com o dedo em riste, gritou com Caiado: "canalha". O senador respondeu: "Abaixa esse dedo que você só tem coragem aqui, na frente de uma câmera. Vai fazer seu antidopping", afirmou.


    Outros senadores entraram na discussão, o que levou o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Ricardo Lewandowski, responsável por comandar o julgamento, a suspender por alguns minutos a sessão. Neste momento, senadores e assessores começaram a acalmar os envolvidos.


    Durante a briga, o senador Aécio Neves (PSDB-MG), chegou a reclamar da atuação de um assessor que, de acordo com ele, estaria xingando Caiado e a senadora Simone Tebet (PMDB-MS). Um segurança tentou retirar o funcionário do plenário mas parlamentares amenizaram a situação e pediram para ele ficar.


    O marido de Gleisi Hoffmann, o ex-ministro Paulo Bernardo, chegou a ser preso na Lava Jato durante investigação que apura supostos desvios por uma empresa que faz a gestão de crédito consignado de servidores da União.


    Após a discussão, diversos senadores reclamaram do tom adotado por Gleisi e defenderam a prerrogativa do Senado de julgar uma presidente, conforme determina a Constituição.


    A sessão do julgamento final começou nesta quinta (25) com meia hora de atraso, às 9h33. Hoje, os senadores apresentarão sete questionamentos ao processo e depois ouvirão parte das testemunhas. Primeiro serão ouvidos as duas indicadas pela acusação e, em seguida, as seis indicadas pela defesa. A expectativa é de que esta fase acabe na madrugada de sexta para sábado.


    Na semana que vem, os parlamentares ouvirão a defesa pessoal de Dilma e a apresentação final dos advogados. Depois, cada um dos 81 senadores poderá discursar por 10 minutos. Só então, eles iniciarão a votação que selará o destino de Dilma.


    Após uma discussão acalorada com outros senadores, Lewandowski, que preside a sessão, decidiu suspender por alguns minutos a sessão, que já foi retomada. Com informações da Folhapress.


     

     

    Fonte - Assessoria

    Fotográfo - Divulgação

     
     
     
     
     
    Portaljipa © Direitos Reservados - Conheça os nossos Termos de uso
    Portaljipa - Seu guia virtual! - 27.316.530/0001-08