• Q FOME
  • Materjipa Materiais para Construção
  • Viva Bela Cosméticos
  • CASA DE ALTO PADRÃO A VENDA EM JI-PARANÁ
  • Supermercado Irmãos Gonçalves
  • AABB-JIPA - Associação Atlética Banco do Brasil
  • Instituto de Olhos Caius Prieto Ji-Parana
  • Mercadão dos Óculos
  • Odontologia Drº  Thiago Ribeiro
  • Apoio de militares a ataques de Bolsonaro amplia tensão em Brasília

    Política
    6 minutos de leitura

    Paulo Portaljipa EM 01/06/2020 ÀS 12:51:13

    Apoio de militares a ataques de Bolsonaro amplia tensão em Brasília

     - O alinhamento entre militares e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ampliou as tensões no Congresso e no STF (Supremo Tribunal Federal) diante da escalada do conflito do Palácio do Planalto com os demais Poderes.

    Numa semana marcada por repetidas declarações em que o presidente e seus aliados apontaram para uma ruptura institucional, ministros da ala fardada do governo e integrantes das Forças Armadas endossaram de maneira aberta algumas das críticas de Bolsonaro.

    As cúpulas do Legislativo e do Judiciário ampliaram as articulações nos bastidores para dar uma resposta ao que consideraram um quadro mais alarmante. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e ao menos seis ministros do STF fizeram discursos que defendiam a necessidade de preservação da democracia e o respeito a decisões judiciais.Integrantes do Supremo e do Congresso viram uma inflexão no comportamento do núcleo militar do governo.

    Embora alguns representantes dessa ala tenham negado hipóteses de intervenção das Forças Armadas como resultado da tensão entre os Poderes, parlamentares e ministros do tribunal demonstraram preocupação com episódios em que militares demonstraram afinação com o enfrentamento liderado pelo chefe do Executivo.

    Causou apreensão a nota do general da reserva Augusto Heleno, ministro-chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) –depois endossada pelo ministro Fernando de Azevedo e Silva (Defesa)– que falava em 'consequências imprevisíveis' após um despacho rotineiro do STF sobre um pedido de apreensão do celular do presidente.

    A reação de Bolsonaro e seu entorno após a operação que mirou alguns de seus aliados no inquérito das fake news, na última quarta-feira (27), ampliou o temor de instabilidade.Nessa ocasião, seu filho Eduardo, deputado federal (PSL-SP), mencionou mais de uma vez a possibilidade de intervenção militar contra o que chamava de interferência do Judiciário –ainda que nenhum integrante do governo tenha sido alvo da ação.

    Os primeiros sinais de tensão entre Bolsonaro e os demais Poderes haviam sido mapeados por congressistas, advogados e ministros e ex-ministros do Supremo ainda no início de maio.Parlamentares identificaram mudanças na interlocução com representantes das três Forças. Os militares, que antes se apresentavam como moderadores e tentavam minimizar os ataques do presidente às instituições, passaram a endossar Bolsonaro.

    De acordo com deputados e senadores, a mudança da postura passou a ser caracterizada pelas posições adotadas pelos ministros Braga Netto (Casa Civil) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), que reduziram a intensidade de seus contatos com os demais Poderes.Nos últimos meses, disseminou-se com rapidez entre integrantes da ativa e da reserva –mesmo alguns considerados comedidos– a percepção de que movimentos do Supremo e do Congresso avançavam sobre as prerrogativas do presidente, reduziam sua autoridade e impediam Bolsonaro de tocar o governo.

    Esse entendimento foi ampliado após três decisões do STF: a que confirmou o poder de estados e municípios para decretar medidas de isolamento social durante a pandemia do novo coronavírus; a que suspendeu a expulsão de diplomatas venezuelanos do país; e a que barrou a nomeação de Alexandre Ramagem para a direção-geral da Polícia Federal.

    Militares passaram a argumentar, de maneira reservada, que o prosseguimento das investigações contra o presidente a partir das acusações feitas pelo ex-ministro da Justiça Sergio Moro poderia levar a uma desestabilização do país.

    O inquérito aberto no Supremo para investigar uma suposta tentativa de interferência de Bolsonaro sobre a corporação acirrou os ânimos do governo.

    A nota em que Augusto Heleno, endossado pelo ministro da Defesa, dava um recado ao tribunal, mencionando riscos à 'estabilidade nacional', no último dia 22, surgiu nesse contexto.O texto foi lido como uma ameaça por integrantes do Supremo e do Congresso.

    No início da semana, as cúpulas do Legislativo e do Judiciário trocaram impressões sobre esse episódio em conversas reservadas.Na terça (26), Rodrigo Maia fez um pronunciamento em que afirmou que o 'Parlamento respeita e cumpre as decisões judiciais, mesmo quando delas discorda'.

    No dia anterior, o ministro do STF Luís Roberto Barroso tomou posse como presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e disse que 'o ataque destrutivo às instituições a pretexto de salvá-las' já deu origem a duas ditaduras.

    Dias depois, com a operação autorizada pelo Supremo com base no inquérito das fake news, relatado por Alexandre de Moraes, o grupo governista voltou a atacar o tribunal. Eduardo Bolsonaro mencionou a possibilidade de uma 'intervenção pontual' das Forças Armadas sobre a corte a pretexto de reduzir as tensões.

    O vice-presidente, Hamilton Mourão, reagiu às declarações do filho do presidente. 'Me poupe. Ele é deputado, ele fala o que quiser', disse o general ao portal G1. 'Fora de cogitação, não existe situação para isso.'

    Apesar da postura de alguns generais, a insatisfação amplia a afinação entre oficiais e Bolsonaro. Durante a pandemia, multiplicaram-se reuniões informais entre oficiais para discutir a conjuntura interna. Alguns deles discutem por videochamada essa conjuntura, citando os riscos de crise institucional.

    Um oficial naval ouvido pela reportagem, contudo, afirma que a discussão se deu sobre a possibilidade de impeachment do presidente.Os militares têm, no entanto, reservas em relação a certos posicionamentos adotados por Bolsonaro e, principalmente, por seus filhos Carlos (vereador pelo Republicanos no Rio) e Eduardo.Outro grupo, de soldados e praças, apesar do apoio ao presidente, anda descontente com o governo.

    Eles usam as redes sociais e fóruns exclusivos para militares para reclamar da falta de aumento no soldo.Eles ficaram fora do reajuste dado a oficiais após a reforma da Previdência e tinham a promessa de receber o aumento ainda este ano. Contudo, Bolsonaro congelou reajustes no funcionalismo por conta da pandemia.

    Os temores sobre os efeitos dessa tensão se alastraram para outros setores. A Polícia Federal, por exemplo, tirou o pé da investigação contra Bolsonaro por suspeita de interferência na instituição.

    De acordo com delegados e advogados ouvidos pela reportagem, a avaliação era que seria 'preciso respirar'. Durante a semana, nenhuma ação significativa foi tomada no inquérito.A corporação sinalizou ainda que não dará prazo para que Heleno, do GSI, envie informações sobre a segurança do presidente –razão alegada pelo governo para a interferência admitida por Bolsonaro na reunião ministerial de 22 de abril.

    A avaliação é que o pedido poderia ser usado pelo governo para aumentar a temperatura do conflito com o STF. 

     

    Fonte - Das Agencias

     
     
     
     
     
    Portaljipa © Direitos Reservados - Conheça os nossos Termos de uso
    Portaljipa - Seu guia virtual! - 27.316.530/0001-08