Portaljipa
  •  
  •  
  •  

Preocupado com facções do Brasil, Paraguai expulsa bandidos do PCC e do Comando Vermelho

Policial

POR Paulo Portaljipa EM 20/02/2019 ÀS 13:50:42

Preocupado com facções do Brasil, Paraguai expulsa bandidos do PCC e do Comando Vermelho
O governo do Paraguai vem fechando o cerco à expansão das facções criminosas brasileiras, em meio a uma guerra pelo controle do tráfico na fronteira, que opõe há três anos o Primeiro Comando da Capital (PCC) e o Comando Vermelho (CV), além de bandidos da região. No ano passado, o país vizinho extraditou 97 presos brasileiros, 60% a mais que os 59 mandados de volta em 2017, conforme dados oficiais. Autoridades paraguaias também investigam suspeitas de suborno a policiais para ajudar traficantes.

Desde dezembro, um programa de cooperação entre os dois países faz com que criminosos presos após cruzar a fronteira sejam rapidamente devolvidos. No ano passado, foram extraditados alguns dos principais chefes do crime organizado, como Jarvis Chimenez Pavão, do PCC, Marcelo Fernando Pinheiro Veiga, o Piloto do CV.

De janeiro até o início deste mês, foram mais 15 expulsões, incluindo Fábio Souza Santos, o Geleia, também do CV. Em três anos, o Paraguai passou do 5.º para o 2.º lugar em número de presos brasileiros no exterior, passando Japão, Portugal e Espanha. Agora, está atrás apenas dos Estados Unidos.

Diretor de investigação da Secretaria Nacional Antidrogas (Senad) do Paraguai, Gustavo Molina afirma que as facções brasileiras tentam aumentar a influência nos meios criminais locais. “São investigadas até suspeitas de envolvimento de membros da Polícia Nacional com esses grupos.”

Ele destaca que os traficantes usam seu poderio econômico para subornar policiais e cooptar mão de obra nos presídios. Conforme Molina, as drogas estão na origem de 80% das prisões. Pelo menos cinco facções brasileiras tentam estabelecer bases no Paraguai: CV e PCC, o Primeiro Grupo Catarinense (PGC), a Família do Norte (FDN) e o Terceiro Comando Puro (TCP).

Conforme o diretor, com a instalação de uma base de inteligência da Polícia Federal brasileira na Senad em Pedro Juan Caballero, na fronteira com o Brasil, a cooperação entre os países aumentou. 
“Há um trabalho conjunto.” A troca de informações e as ações já levaram os grupos criminosos a reagirem. Em novembro, o CV ameaçou de morte a procuradora-geral do país, Sandra Quiñonez.

Ao Estado, a procuradora-geral disse que o endurecimento nas ações brasileiras contra as facções têm levado os bandidos a buscarem outros países onde possam atuar com menos pressão. Em entrevista ao jornal New York Times em novembro, Piloto afirmou que o Paraguai é a “terra da impunidade”.

Segundo o secretário de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul, Antonio Videira, o regime prisional mais brando e a facilidade para cooptar agentes públicos estimulam a migração. Evidências de corrupção levaram o governo paraguaio a trocar duas vezes o comando da Grupamento Especializado de Assunção, principal presídio do país, no fim do ano.

Sandra, porém, disse que o Paraguai tem trabalhado “sem trégua” para deixar de ser uma boa opção para os bandidos.

Para Videira, a disputa deve se acirrar, após a prisão do principal articulador do PCC no Paraguai – Sergio Quintiano Neto, o Minotauro, detido em um apartamento de luxo de Balneário Camboriú (SC), no dia 4. Na semana seguinte, houve a transferência de Marco Williams Herbas Camacho, o Marcola, e de outros 21 líderes do PCC de São Paulo para presídios federais.

A entrada das facções no país vizinho aumentou após a execução de Jorge Toumani Rafaat, em junho de 2016. De sua mansão em Pedro Juan, ele controlava com mão de ferro o tráfico na fronteira, respeitando os negócios de outros grupos, e abastecendo indistintamente várias facções, incluindo PCC e CV. Segundo Videira, com 29 anos de polícia (25 deles na fronteira), a morte de Rafaat pelas mãos do PCC iniciou uma guerra. “O PCC foi mais rápido em ocupar os espaços e cresceu.” Até ser preso este mês, Minotauro ainda trabalhava na expansão dos negócios, avançando sobre campos de maconha de outras facções e atacando rivais.

No processo, Mato Grosso do Sul passou a receber maiores carregamentos de maconha, e deixou de ser apenas rota, para virar também mercado consumidor. “O estilo é o da máfia, uma vingança puxa outra”, diz Videira. Hoje, o PCC controla o tráfico em Pedro Juan, Capitán Bado e Ciudad del Este, enquanto o CV domina as regiões paraguaias de Salto del Guairá, Ypehú e o distrito de Zanga Pyitã.

Segundo Videira, há até erva transgênica. “O compromisso é colocar no Brasil 6 toneladas de maconha por semana”, diz. A facção disputa também as rotas para escoar cocaína da Bolívia. “Pedro Juan é a saída para o Porto de Paranaguá (PR) ou São Paulo, mas também se tira por Salto del Guairá ou pela rota de Rosário, que cruza o Chaco paraguaio, passa pela Argentina e vai para o Porto de Itajaí (SC).”

A Polícia Nacional paraguaia anunciou nesta segunda-feira, 18, ter descoberto um plano de resgate de dois dos principais integrantes do grupo de Sérgio Quintiliano Netto, o Minotauro, principal articulador do PCC no país vizinho. Seriam resgatados o brasileiro Julio César Gomes, de 28 anos, e o paraguaio Marcos Paulo Valdez, de 24, que foram presos com outros 15 integrantes do PCC em operação em 7 de fevereiro, três dias após a prisão do chefe. Na ocasião, foram apreendidos 25 veículos, a maioria blindados, que eram usados em ações criminosas ordenadas por Minotauro.

Segundo a polícia, uma parte do plano envolvia a “recuperação” de cinco veículos que estavam sob a custódia da polícia em Pedro Juan Caballero, na fronteira com o Brasil. Esses carros desapareceram na semana passada. O ministro do Interior do Paraguai, Juan Ernesto Villamayor, mandou abrir investigação para apurar se o PCC está por trás do sumiço dos veículos e se seus subordinados teriam agido com aval de Minotauro. Desde a prisão, em Balneário Camboriú (SC), o líder do PCC está na penitenciária federal de Brasília.

Para o ministro, é certo que os policiais encarregados da custódia dos carros de Minotauro participaram do furto ou foram subornados para fazer vista grossa. Como os veículos estavam sem bateria ou avariados, ele acredita que foram retirados de guincho ou carregados em caminhões, em uma operação que não poderia ter passado desapercebida à polícia. “Não há dúvida de que alguém facilitou. Naturalmente, o PCC tem muita gente a seu serviço,”, disse ao jornal ABC Color.

Ao Estado, o ministério informou que os policiais incumbidos da guarda do depósito estão presos desde sábado. Os chefes desses policiais serão investigados. No dia 11, a polícia paraguaia descobriu uma central de monitoramento com câmeras de alta definição usadas por Minotauro para controlar o tráfico e as ações da polícia em Pedro Juan Caballero.

 

Fonte - Das Agências

 
 
 
 
 
 
Portaljipa © Direitos Reservados - Conheça os nossos Termos de uso
Portaljipa - Seu guia virtual! - 27.316.530/0001-08
  •  
  •  
  • Portaljipa