AVENTURA — Família numa Kombi segue rumo ao Peru e faz parada em Ji-Paraná

Policial
4 minutos de leitura

Paulo Portaljipa EM 05/03/2019 ÀS 03:45:20

AVENTURA — Família numa Kombi segue rumo ao Peru e faz parada em Ji-Paraná

Eles ficaram algum tempo em Ji-Paraná, mas já estão “levantando acampamento” nos próximos dias. Seu destino final, por enquanto, é Cusco, no Peru, para subir até as ruínas de Machu Picchu. Depois disso, não sabem qual será o trajeto que cumprirão ao certo. Talvez, retornem ao Brasil; ou quem sabe seguirão para outro país da América do Sul. Seu veículo: uma perua Kombi 1996 com geladeira, forno elétrico, pia, guarda-roupa, caixa d’água, uma cama de casal entre outros equipamentos. Aqui em Ji-Paraná eles instalaram mais um item importante: uma placa fotovoltaica na capota da Kombi para gerar energia à bateria do veículo e, com isso, movimentar todos os itens elétricos a bordo.

Também eles levam muita determinação em cumprir aquele velho sonho de aventurar-se, sem roteiro determinado, sem horário e sem pressão de qualquer espécie. A ideia é saborear a liberdade quase cigana que poucas pessoas têm de assumir, ou seja, a coragem de sair sem destino mundo afora e sem data para voltar.

Marcos Paris, de 31 anos , sua esposa Juliana, de 30, e a filha Milena, de apenas 2,5 anos, deixaram a confortável cidade de Toledo, no norte do Paraná, há três meses dispostos a fazer da estrada sua casa. Ele era caminhoneiro e já estava acostumado a essa vida. Transportando milho, soja e carne para grandes empresas, Marcos já perambulou por quase todo o país, menos a Região Norte.

Sua intenção de sair meio sem rumo é antiga. Para tanto, precisava de um veículo e com os recursos da venda de uma moto Bizz 125 ele conseguiu adquirir uma perua Kombi, com 23 anos de vida e que consumiu quatro meses de preparação para a jornada, incluindo aí a retífica do motor. Foi o tempo que ele precisou para convencer a esposa Juliana a empreender a viagem. Como ela já o acompanhava enquanto caminhoneiro, não foi uma tarefa tão difícil, afinal.

DE TOLEDO ELES E SUA brava Kombi passaram pelo pantanal mato-grossense, pela Chapada dos Guimarães, por Cuiabá até aportar em Ji-Paraná para descansar e ganhar algum dinheiro para seguir adiante. Eles ainda estão por aqui estacionados no posto Fortaleza, onde usufruem da solidariedade na forma de rede wi fi  e da permissão para uso de banheiros.

A ideia, sem nenhuma pressa ou horário, é seguir, talvez, na quarta, ou quinta, ou ainda na sexta-feira para Porto Velho. De lá pretendem seguir até Brasileia e   Assis Brasil, a tão esperada fronteira com o Peru.

Qualquer é dia para eles. Esta é vida deles agora, sem qualquer obrigação de cumprir alguma agenda determinada. É justamente a tranquilidade acompanhada do sabor da aventura a grande bússola que comanda suas vontades.

 “Mas estamos com receio de seguir viagem porque sabemos que está chovendo muito nessa direção. Vamos esperar, porque para nós tanto faz ir num dia como no outro”, revelou Marcos à reportagem do Repórter RO.

Ademais, eles precisam atender uma encomenda de 15 quadros decorativos de carros antigos que produzem e com os quais arrecadam dinheiro para ir seguindo adiante. Ao todo eles já venderam quase 40 quadros desde que chegaram a Ji-Paraná, há cerca de uma semana.

Enquanto isso, eles permanecem tranquilos ali no Posto Fortaleza, fazendo amizades, recebendo o carinho dos cidadãos e distribuindo folhetos de inspiração religiosa. Sim, eles também são “missionários” e exercem o que chamam de “evangelismo”, outro grande propósito que vão cumprindo ao longo de sua peregrinação pelo país.

Juliana, entre outros afazeres, interage com o grupo “Luluzinhas Kombeiras”, grupo de whatsapp só de mulheres que estão também andarilhando pelo Brasil.

Depois de Porto Velho a família vai a Brasileia e Assis Brasil, ambas cidades do Acre. Esta última faz divisa com o Peru e, em seguida, pé na tábua em direção a Cusco. Depois…ora, depois ele vão pensar e decidir somente quando chegarem lá. Afinal, a viagem só estará, pelo menos, na metade ainda.

ELES PRODUZEM QUADROS E VENDEM PARA ARRECADAR DINHEIRO, A PARTIR DE R$ 20,00
O VEÍCULO AINDA CARREGA, ALÉM DA CAIXA D’ÁGUA, UMA BICICLETA PENDURADA
A KOMBI É EQUIPADA COM FORNO, GELADEIRA, PIA, ARMÁRIOS E A CAMA DO CASAL
APESAR DE ANTIGA, A KOMBI ATÉ AGORA NÃO SOFREU NENHUMA PANE
ELES ENCONTRARAM UMA OUTRA FAMÍLIA QUE VEIO TAMBÉM DE CARRO DA VENEZUELA E QUE RESIDE EM JI-PARANÁ
 

Fonte - reporter-ro

 
 
 
 
 
Portaljipa © Direitos Reservados - Conheça os nossos Termos de uso
Portaljipa - Seu guia virtual! - 27.316.530/0001-08