Desafiando a China: EUA enviam bombardeiros a ilhas disputadas

Os EUA enviaram dois bombardeiros B-52 para as ilhas artificiais chinesas no mar da China Meridional para se opor à China no contexto das suas reclamações territoriais, informa o ...

Mundo
3 minutos de leitura

Paulo Portaljipa EM 13/11/2015 ÀS 21:53:16

Desafiando a China: EUA enviam bombardeiros a ilhas disputadas

Os EUA enviaram dois bombardeiros B-52 para as ilhas artificiais chinesas no mar da China Meridional para se opor à China no contexto das suas reclamações territoriais, informa o jornal norte-americano The Hill.

O The Hill cita um oficial norte-americano, que pediu anonimato, confirmando que 2 aviões militares norte-americanos se aproximaram das ilhas à distância de milhas náuticas. Segundo o oficial, os militares chineses apelaram aos norte-americanos através do rádio para “ir-se embora das ilhas”, mas os bombardeiros não obedeceram.

Depois de informações sobre o incidente se tornaram públicas o representante do Pentágono, Bill Urban, confirmou que dois bombardeiros B-52 realizaram “uma missão habitual no espaço aéreo internacional perto das ilhas Spratly no mar da China Meridional”. Segundo Urban, os aviões norte-americanos receberam dois avisos de controladores de trafego aéreo mas não se aproximaram das ilhas à distância de mais de 15 milhas náuticas.

Segundo as normas do direito internacional, a largura do mar territorial de qualquer país é de 12 milhas náuticas (cerca de 22 km). Assim, a faixa de águas e o espaço aéreo sobre ela é o território de qualquer país soberano e o voo não autorizado de um avião militar estrangeiro à distancia de 12 milhas náuticas do litoral pode ser considerado uma violação da soberania territorial.

Na sexta-feira (13), o representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da China, Hong Lei, disse que a China se manifesta contra as ações que minam a sua soberania.

“Uma vez mais quero frisar que respeitamos o direito à navegação e voos livres sobre o mar da China Meridional que têm todos os países de acordo com o direito internacional. Mas estamos decisivamente contra as ações que minam a soberania e segurança da China sob o pretexto da liberdade de navegação”, disse Hong Lei durante a conferência de imprensa.

O representante chinês se recusou a comentar os passos seguintes da China dizendo que a posição chinesa foi expressada de um modo muito claro.
O The Hill destaca que os EUA enviaram os seus bombardeiros ao mar da China Meridional pouco depois de a China ter enviado os seus caças naquela zona durante os exercícios navais da China. De vista de especialistas, assim a China demonstra que pretende defender a sua soberania à sério.

As tensões no mar da China Meridional se agravaram quando em 27 de outubro o Ministério das Relações Exteriores da China informou que o navio norte-americano Lassen entrou na zona marítima pertencente à China perto das ilhas Spratly que reclama a China. A chancelaria chinesa expressou o seu protesto aos EUA chamando as ações de Washington de “uma provocação insolente” e ameaçando responder decisivamente à violação da sua soberania e interesses nacionais.

Um pouco depois, um general chinês chamou as ações norte-americanas de provocação e disse que “mesmo um incidente pouco significativo pode provocar uma guerra”. Todavia, os EUA declararam que navegarão e voarão onde quer que permita o direito internacional.

Sputniknews

 

Fonte - Assessoria

Fotográfo - Divulgação

 
 
 
 
 
Portaljipa © Direitos Reservados - Conheça os nossos Termos de uso
Portaljipa - Seu guia virtual! - 27.316.530/0001-08