• Universidade Unopar Polo Ji-Paraná
  • Odonto Malini
  • Materjipa Materiais para Construção
  • Chácara da Sefin
  • Viva Bela Cosméticos
  • Auto Escola Norte
  • Expojipa2 019
  • Dr. Flavio Carlos Otorrinolaringologia
  • Estiagem torna rio Doce sem fluxo marcando apenas três centímetros em Colatina, ES

    Estiagem torna rio Doce sem fluxo marcando apenas três centímetros em Colatina, ES Pelo terceiro ano consecutivo, o estado do Espírito Santo tem registrado chuva abaixo da m&eac...

    Meio Ambiente
    2 minutos de leitura

    Paulo Portaljipa EM 03/09/2016 ÀS 16:09:02

    Estiagem torna rio Doce sem fluxo marcando apenas três centímetros em Colatina, ES

    Estiagem torna rio Doce sem fluxo marcando apenas três centímetros em Colatina, ES



    Pelo terceiro ano consecutivo, o estado do Espírito Santo tem registrado chuva abaixo da média climatológica (1961-1990), bem como grande parte de Minas Gerais, que juntos transportam a água do rio Doce por dezenas de municípios.


    A situação piorou bastante nos últimos dias, onde a navegação é totalmente impossível em grande parte do rio, mas principalmente na região de Colatina, no centro do Espírito Santo, onde enormes bancos de areia interromperam a vazão natural do rio rumo à foz no Oceano Atlântico.


    De acordo com a Defesa Civil, alguns bancos de areia superam 600 metros de comprimento e de um leito a outro do rio tornando esta, a pior estiagem já documentada na região de Colatina.


    O Serviço Colatinense de Meio Ambiente e Saneamento Ambiental (Sanear) não descarta a possibilidade de rodizio ou racionamento de água, uma vez que as bombas terão de captar a pouca água que resta do rio abaixo do limite mínimo, bem como os poços perfurados terão de aumentar a capacidade de bombeamento para atender a demanda da população.


    nacional 01 09 16 20


    nacional 01 09 16 20


    nacional 01 09 16 20


    nacional 01 09 16 20


    nacional 01 09 16 20


    nacional 01 09 16 20


    nacional 01 09 16 20


    nacional 01 09 16 20


    Dados meteorológicos
    A estação telemétrica operada pela Agência Nacional de Águas (ANA) no município indicou nas últimas 24 horas, nível mínimo de apenas três centímetros de profundidade do rio.


    Ainda de acordo com o Sanear, a vazão do rio está crítica, com apenas 100 metros cúbicos por segundo, o que torna impossível o bombeamento em sua totalidade. A última sequência de chuvas acumulativas no município, também segundo o Sanear, foi em 2012.


    nacional 01 09 16 20


    (Crédito das imagens: Reprodução/Google – Reprodução/ANA/TV Gazeta – Arquivo/ASCOM/Jorge Sagrilo/Raquel Lopes)


     

    Fonte - De Olho no tempo

    Fotográfo - Divulgação

     
     
     
     
     
    Portaljipa © Direitos Reservados - Conheça os nossos Termos de uso
    Portaljipa - Seu guia virtual! - 27.316.530/0001-08