• AABB-JIPA - Associação Atlética Banco do Brasil
  • Instituto de Olhos Caius Prieto Ji-Parana
  • CASA DE ALTO PADRÃO A VENDA EM JI-PARANÁ
  • Materjipa Materiais para Construção
  • Odontologia Drº  Thiago Ribeiro
  • Viva Bela Cosméticos
  • Mercadão dos Óculos
  • Supermercado Irmãos Gonçalves
  • Q FOME
  • Banco não pode cobrar dívida de empréstimo consignado de aposentada falecida

    Judiciário
    2 minutos de leitura

    Paulo Portaljipa EM 26/06/2020 ÀS 15:39:20

    Banco não pode cobrar dívida de empréstimo consignado de aposentada falecida
    A 2ª Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3), por maioria dos votos, decidiu manter a sentença que condenou a Caixa Econômica Federal (Caixa) à restituição, em dobro, ao herdeiro de uma aposentada falecida, dos valores pagos por desconto de empréstimo consignado, a partir da data do óbito da contratante.

    Alegações do Banco
    A Caixa avaliou ser devida a cobrança sob o argumento de que a morte da cliente não elimina a dívida, nos termos do artigo 1.997, do Código Civil. Alegava que o pagamento deveria ser realizado por seu espólio ou por seus herdeiros. O banco alegou, igualmente, que a Lei 1.046/1950, que trata sobre o assunto, teria sido revogada tacitamente com a edição da Lei 8.112/90.

    Ação judicial
    O herdeiro da aposentada falecida, ingressou com ação na  Justiça Federal que, em primeira instância, declarou extinta a dívida. Todavia, a Caixa recorreu da decisão.

    De acordo com o relator do processo no TRF-3, desembargador federal Peixoto Junior, o caso em análise trata-se de circunstância de extinção da dívida em consequência da morte da consignante, de acordo com a previsão do artigo 16 da Lei nº 1.046/1950, não se admitindo a aplicação da Lei 8.112/90.

    Nesse sentido, o relator declarou: “É inaplicável ao caso a Lei 8.112/90, que abrange servidores públicos federais, pois a contratante era aposentada pelo Regime Geral da Previdência Social, administrado pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS)”.

    Lei específica
    De acordo com o magistrado, a sentença não merece reforma, com fundamento na compreensão do artigo 16 da Lei 1.046/1950: “ocorrido o falecimento do consignante, ficará extinta a dívida do empréstimo feito mediante simples garantia da consignação em folha”; ou seja, lei específica que predomina sobre norma geral prevista no Código Civil.

    Portanto, ao negar provimento ao recurso da Caixa, a 2ª Turma manteve a sentença de primeira instância em sua integralidade, que decidiu pela nulidade do contrato de empréstimo celebrado entre a Caixa e a aposentada falecida. 
    Informações: TRF -Justiça Federal
     

    Fonte - TRF -Justiça Federa

     
     
     
     
     
    Portaljipa © Direitos Reservados - Conheça os nossos Termos de uso
    Portaljipa - Seu guia virtual! - 27.316.530/0001-08