• Viva Bela Cosméticos
  • Dr. Flavio Carlos Otorrinolaringologia
  • Auto Escola Norte
  • Odonto Malini
  • Expojipa2 019
  • Materjipa Materiais para Construção
  • Chácara da Sefin
  • Universidade Unopar Polo Ji-Paraná
  • Rondônia é um oásis num deserto tenebroso

    Questões polarizadas A polarização política, no grau máximo de ebulição, mata o debate do qual poderia vir à luz. Em seu lugar,..

    Geral
    4 minutos de leitura

    Paulo Portaljipa EM 13/12/2018 ÀS 19:23:36

    Rondônia é um oásis num deserto tenebroso

    Questões polarizadas

    A polarização política, no grau máximo de ebulição, mata o debate do qual poderia vir à luz. Em seu lugar, impõe duas escuridões: certezas absolutas e opostas que anseiam destruir uma à outra para se impor em definitivo sobre a sociedade.

    É um panorama irracional, mas a julgar pelas eleições em várias partes do mundo a soma dos adeptos dos extremismos supera a parcela da humanidade que tenta ponderar sobre um meio termo razoável e objetivo para convir a todos.

    No meio ambiente brasileiro, a polarização se expressa por posições que se recusam a incorporar elementos positivos da outra. De um lado, a ótica de que a destruição ambiental causará danos irreversíveis ao clima, produzindo o temido Apocalipse.

    De outro, a visão que justifica o rolo compressor da destruição como desenvolvimentismo, nega o aquecimento global e combate “indústria das multas” que seria praticada pelo Ibama.

    Entre as duas, chega à informação divulgada pela Agência Nacional de Mineração de que há 4.536 pontos do território brasileiro em que ocorrem conflitos humanitários e choques ambientais. As regiões Nordeste e Norte, pela ordem, são as que registram o maior número de casos.

    Diante desses números, surgem duas questões: 1) a suposta “indústria de multas” é tão ampla quanto se imagina? 2) Se é, por que não consegue inibir os conflitos?

    ……………………………………..

    As comparações

    Comparando as situações de Rondônia com os demais estados – exceto o Espírito Santo o mais saudável do país administrativamente – Rondônia é um oásis num deserto tenebroso. Roraima já esta sob intervenção federal, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul em colapso, Minas num caos generalizado. Abundam os salários atrasos, fornecedores lascados pelo Brasil afora.

    Morde e sopra

    Volta à peleja pelo reajuste da tarifa de transportes coletivos com todas as encenações cabíveis que ocorrem nestas situações desde os primórdios da municipalidade. O Consórcio atual, num morde e assopra ameaça até entregar de volta a concessão em caráter emergencial que recebeu da prefeitura de Porto Velho. Mas caro leitor, nada que não se resolva com reajuste de tarifa a R$ 5,00…

    Mais um Senador

    Olha aí, Rondônia terá na próxima legislatura um senador nascido na terrinha, mais precisamente em Porto Velho. Trata-se de Rodrigo Pacheco (DEM) eleito no último pleito em Minas Gerais. Tomara que o agora representante das alterosas se lembre da terra natal e encaminhe algumas emendas parlamentares para cá, que estamos precisando. Nosso orçamento é curto.

    Cheia histórica

    Os moradores do Baixo Madeira já estão apavorados. Eles dizem que o aumento do nível naquela região já é maior daquela ocorrida na enchente histórica de 2014 . Os órgãos oficiais negam a possibilidade de uma nova cheia histórica, mas os ribeirinhos foram os primeiros a chiar em 2014, quando ninguém acreditava naquela barbaridade que aconteceu.

    As tocaias urbanas

    Boa parte dos homicídios praticados em Porto Velho são derivados do tráfico de drogas e os presídios rondonienses estão lotados por isto. Nos últimos anos se constatou que a disputa pelas bocas de fumos estão sendo feitas a balas ocorrendo tocaias entre os grupos rivais durante o abastecimento dos pontos de vendas. É a disputa por território como ocorre em centros controlados pelo crime organizado.

     

    Via Direta

    *** Deputado federal eleito, Leo Moraes acompanhou no inicio da semana a bancada do partido num encontro com o presidente eleito Jair Bolsonaro *** Mesmo em fim de mandatos, os senadores Ivo Cassol e Valdir Raupp estão cumprindo a risca suas atividades nas últimas semanas de Congresso Nacional *** O instituto Phoenix cravou em 60 por cento a rejeição do prefeito Hildon Chaves, o que se tratando de inverno amazônico é uma taxa aceitável *** No sol a pino, no verão rondoniense o índice de aprovação do prefeito tucano melhora muito operando frentes de obras.

     

    Fonte - Diário da Amazônia

     
     
     
     
     
    Portaljipa © Direitos Reservados - Conheça os nossos Termos de uso
    Portaljipa - Seu guia virtual! - 27.316.530/0001-08