• Expojipa2 019
  • Universidade Unopar Polo Ji-Paraná
  • Odonto Malini
  • Auto Escola Norte
  • Chácara da Sefin
  • Materjipa Materiais para Construção
  • Viva Bela Cosméticos
  • Dr. Flavio Carlos Otorrinolaringologia
  • Cheia desabriga mais de 800 em Rondônia, Defesa Civil insiste para que famílias evitem áreas de risco

    Geral
    4 minutos de leitura

    Paulo Portaljipa EM 12/03/2019 ÀS 19:07:01

    Cheia desabriga mais de 800 em Rondônia, Defesa Civil insiste para que famílias evitem áreas de risco

    Passa de 800 o número de pessoas desabrigadas pelas cheias dos rios Madeira, Mamoré e Candeias, em Rondônia. Subiu para 152 famílias, no total de 756 pessoas o número de desabrigados em Porto Velho. Desse total, 438 ficaram desalojados. Em Nova Mamoré, o rio Mamoré desabrigou seis famílias totalizando 27 pessoas e 19 estão desalojadas, somando 42 pessoas.

    Subcomandante do Corpo de Bombeiros Gilvander Gregório de Lima

    A Comissão Estadual de Defesa Civil, que controla a situação na sede do Corpo de Bombeiros Militar de Rondônia (CBM-RO), no Bairro Olaria, volta agora suas atenções para o município de Candeias do Jamari, a 18 quilômetros da Capital, onde 53 famílias estão desabrigadas, totalizando 134 pessoas. Desse número, 27 famílias com 80 pessoas estão desalojadas.

    O nível do rio Madeira permanecia na manhã desta terça-feira (12) entre 17m e 17m30 em Porto Velho, com probabilidade de elevar-se em Abunã. Os bairros Triângulo, São Sebastião e a antiga Vila Milagres tem o maior número de famílias atingidas.

    Já em Guajará-Mirim, na fronteira brasileira com a Bolívia, o rio Mamoré vai subir, informa o Sistema de Alerta Hidrológico do Rio Madeira, operado pelo Serviço Geológico do Brasil-CPRM.

    Tem funcionado assim: o primeiro contato de famílias desabrigadas é feito com a Defesa Civil Municipal. Quando vê esgotados seus recursos, esta comunica-se imediatamente com a Defesa Civil do Estado.

     

    “O governador Marcos Rocha determinou prevenção e pediu a conscientização das pessoas, porque só assim é possível minimizar impactos”, disse o comandante do CBM-RO, coronel Demargli da Costa Farias.

     

    Para o comandante, a experiência de 2014 proporcionou mais experiência à Defesa Civil. “Na cheia atual, a organização é bem melhor, porque houve prevenção”, ele destacou.

    “A cheia é um fenômeno natural, mas a moradia em área de risco ainda provoca reuniões e dá trabalho a órgãos públicos federais e estaduais que poderiam cuidar mais de sua agenda de trabalho”, considerou o comandante. Exemplificou: “DNIT, DER, Seas, PM, Saúde e os próprios bombeiros estariam cumprindo folgadamente sua rotina de trabalho, não fosse ter que socorrer demandas apresentadas pela Defesa Civil”.

    ÁREAS DE RISCO E TERMO DE RESPONSABILIDADE

    Em Porto Velho e Ji-Paraná, os bombeiros arquivam diversos relatórios a respeito de áreas de risco [barrancos, terrenos assoreados, anualmente alagados]. Numa das situações, nessa cidade da rodovia BR-364, uma criança morreu afogada. Mesmo alertados sucessivas vezes e assinando o termo de responsabilidade, os pais habitavam pela sexta vez a mesma área condenada.

    O CBM-RO pretende estabelecer um pacto com os municípios sujeitos às enchentes: “Essa medida evita que sejamos apanhados de surpresa; o trabalho preventivo pode evitar que famílias resistentes à ideia de mudar voltem a ocupar espaços indevidos”, assinalou o coronel Farias.


    Barracas de lona no Ginásio Fidoca; famílias saem cedo para trabalhar

    Ele elogia o atendimento da Defesa Civil no atual período, cujo empenho positivo corresponde à expectativa de ribeirinhos e do governo.

    Café da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar. Banheiros higienicamente conservados, galões de água potável disponíveis e três caixas-d’água [de mil litros cada] cheias. Barracas de lona abrigam sete famílias. Assim estava na manhã desta terça-feira (12), às 9h, o Ginásio de Esportes Fidoca, no Bairro Agenor de Carvalho, um dos alojamentos dos desabrigados, usado pela primeira vez.

    Na visita do subcomandante Gilvander Gregório de Lima ao local, o plantão de servidores da Secretaria Municipal de Assistência Social de Porto Velho prestou-lhe informações das últimas 24 horas. Um educador social encarregou-se de atender emergências, especialmente à noite, informou o servidor Márcio Noia. Jovens alunos seguem frequentando normalmente escolas, ele disse.

    Em 2014, 20 escolas tiveram aulas interrompidas para que seus espaços alojassem famílias desabrigadas.


     
     
     
     
     
     
    Portaljipa © Direitos Reservados - Conheça os nossos Termos de uso
    Portaljipa - Seu guia virtual! - 27.316.530/0001-08