Arroz foi domesticado há 4.000 anos em Rondônia

Uma das espécies de arroz selvagem que se encontram na região, a _Oryza latifolia_

Geral
4 minutos de leitura

Paulo Portaljipa EM 23/10/2017 ÀS 20:27:32

Arroz foi domesticado há 4.000 anos em Rondônia

Lavouras de arroz com milhares de anos de idade não são exclusividade da antiga China, ao que parece. Por volta do ano 2.000 a.C., os habitantes de uma região pantanosa da atual Rondônia já cultivavam variedades nativas do grão, as quais integravam um pacote agrícola do qual faziam parte ainda o milho e a abóbora.
Esse cenário, traçado graças à análise de vestígios microscópicos das plantas, dá novo peso à ideia de que o sudoeste da Amazônia está entre os principais berços da agricultura no planeta.
Afinal de contas, Rondônia e regiões vizinhas também são consideradas o centro de origem de outros cultivos, como mandioca e amendoim.
Aliás, foi em busca de indícios sobre essas lavouras já conhecidas da região que os pesquisadores se puseram a investigar o sítio arqueológico de Monte Castelo, que fica na área conhecida popularmente como "Pantanal do Guaporé", no município de São Francisco do Guaporé.
"Foi aquele caso de você mirar no pombo e acertar no pato", compara o arqueólogo Eduardo Góes Neves, do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP. "A gente estava interessado em dados sobre o cultivo da mandioca. Nem imaginava que o arroz fosse entrar na história."
Tecnicamente, o sítio de Monte Castelo recebe a designação de sambaqui fluvial. Trata-se de uma espécie de morro artificial (com mais de 6 metros de altura e base de um quarteirão e meio de diâmetro) construído ao longo de gerações com camadas de conchas de moluscos e terra.
Os sambaquis mais famosos estão na costa brasileira –daí o de Monte Castelo ser "fluvial". A região, com rios, campos abertos alagáveis e relativamente pouca mata fechada, é rica em recursos aquáticos, como o Pantanal mato-grossense.
E, entre esses recursos, estão justamente diversas espécies selvagens de arroz, todas pertencentes ao gênero Oryza, tal como o arroz asiático, cujo nome científico é Oryza sativa.
ARROZ-DE-BREJO
Localmente conhecidas como arroz-de-pato ou arroz-de-brejo, essas formas do cereal eram consumidas pelos indígenas, segundo relatos da era colonial, e ainda o são por populações tradicionais da Amazônia e do Pantanal, mas não se imaginava que, no passado, elas pudessem ter sido cultivadas ativamente pelos habitantes da região.
As pistas que apontam nessa direção vêm dos fitólitos, pequenas estruturas de sílica (como os grãos de areia) que as plantas produzem.


Cada tipo de planta –e cada parte do organismo vegetal, como folhas, sementes etc.– produz formas particulares de fitólitos. Eles são muito mais duráveis que a planta inteira, o que ajuda os arqueólogos que trabalham em regiões em que a matéria orgânica se decompõe rapidamente, como a Amazônia.
A análise dos fitólitos está descrita em artigo que acabou de sair na revista científica "Nature Ecology and Evolution". Segundo Góes Neves, quem alertou a equipe para a possibilidade da presença de fitólitos de arroz foi a arqueobotânica Myrtle Shock, que trabalha na Universidade Federal do Oeste do Pará e também assina o estudo.
Dito e feito: os fitólitos não só estavam lá como algumas tendências curiosas apareciam nos dados. Ao longo dos milênios (a ocupação no sambaqui começa há uns 9.000 anos e vai até uns 700 anos atrás), a proporção de fitólitos de arroz ligados à semente aumenta, enquanto a de fitólitos das folhas e do caule cai.
Isso poderia indicar apenas que os indígenas pré-históricos tinham aprendido a coletar os grãos com mais eficácia, se não fosse por outro dado crucial: os fitólitos ficam bem maiores com o passar do tempo –e fitólitos maiores significam grãos maiores também. Aliás, o tamanho deles é superior ao dos encontrados nas espécies de arroz-de-brejo atuais.
Esse é o padrão que se espera e que é visto na domesticação de outros cereais: os grãos maiores tendem a ser plantados para que as plantas voltem a produzir sementes substanciosas e apetitosas.
Se apenas houvesse coleta, a tendência esperada seria o contrário: ao consumir os grãos maiores e deixar os menores na natureza, os humanos estariam favorecendo a reprodução de grãos pequenos.
"A questão é saber o que aconteceu com o processo de domesticação", diz o arqueólogo da USP. "Ele pode ter avançado até certo ponto e parado, ou o conhecimento a respeito pode ter se perdido."
Se os novos dados forem confirmados, será o terceiro registro independente de domesticação do arroz –além do exemplo asiático, há também a espécie O. glaberrima, que foi transformada em lavoura pelos habitantes da África Ocidental há cerca de 2.000 anos.
A pesquisa foi coordenada por José Iriarte, da Universidade de Exeter (Reino Unido), e teve participação de cientistas da Universidade Federal de Rondônia, da USP de Piracicaba e de outras instituições (Folha de S.Paulo, 19/10/17).

A imagem pode conter: textoArroz foi domesticado há 4.000 anos em Rondônia

 

Fonte - (Folha de S.Paulo, 19/10/17)


Tags

 
 
 
 
 
Portaljipa © Direitos Reservados - Conheça os nossos Termos de uso
Portaljipa - Seu guia virtual! - 27.316.530/0001-08