Petróleo cai abaixo de US$ 30 nos EUA pela 1ª vez em 12 anos; ações da Petrobras caem forte

Os preços do petróleo voltaram a cair nesta terça-feira (12), com o barril sendo cotado nos Estados Unidos abaixo dos US$ 30 o barril pela primeira vez em 12 anos. Em Nova York, ...

Economia
3 minutos de leitura

Paulo Portaljipa EM 12/01/2016 ÀS 18:54:47

Petróleo cai abaixo de US$ 30 nos EUA pela 1ª vez em 12 anos; ações da Petrobras caem forte

Os preços do petróleo voltaram a cair nesta terça-feira (12), com o barril sendo cotado nos Estados Unidos abaixo dos US$ 30 o barril pela primeira vez em 12 anos.


Em Nova York, os preços chegaram a atingir US$ 29,93 o barril, a menor cotação desde dezembro de 2003, segundo a Bloomberg. O barril do "light sweet crude" (WTI) para fevereiro fechou com perda de 97 centavos, a US$ 30,44.


Já em Londres, o barril do Brent (principal referência internacional) chegou a cair a US$ 30,34.

No ano, as perdas já chegam a 20% diante de preocupações sobre a desaceleração da demanda chinesa e a ausência de contenção na produção e oferta global da commodity.


No Brasil, as ações da Petrobras caíram mais de 9%, sendo negociadas abaixo de R$ 6 perla primeira vez desde 2004.


O derretimento dos preços tem gerando tensões dentro da Opep - grupo de 12 países produtores de petróleo, a maioria no Oriente Médio - e obrigando os gigantes do setor a suprimir empregos, como ocorreu com o grupo petroleiro britânico BP que anunciou nesta terça-feira sua intenção de eliminar 4.000 empregos em todo o mundo dentro de dois anos.


"Há alguns meses, o limite dos 30 dólares parecia completamente improvável. Hoje, já está ao alcance e, por isso, pode continuar caindo", afirmou Christopher Dembik, analista do Saxo Banque.


O Morgan Stanley alertou na véspera que uma maior desvalorização do iuan pode levar os preços do petróleo em uma espiral para a faixa de US$ 20 a US$ 25 por barril, ampliando a queda de quase 15%.


Tensões
A desvalorização também afeta os orçamentos dos países produtores: os mais dependentes de seu petróleo são obrigados a adotar dolorosas medidas de austeridade, como a Venezuela, em plena crise política, ou a opulenta Arábia Saudita, passando pela Rússia ou Argélia.


Os olhares críticos se voltam cada vez mais para a Arábia Saudita, que tem sido acusada de inundar de propósito o mercado para preservar sua participação de mercado, defendendo-se, assim, dos produtores de petróleo e de gás de xisto americano, e do Irã, que voltará ao mercado com suas exportações assim que forem levantadas as sanções internacionais contra Teerã.


Os membros da Opep mantêm divergências sobre a necessidade ou não de intervir para conseguir uma recuperação das cotações, apesar das demandas neste sentido da Venezuela, Argélia ou Nigéria.


Em sua reunião anterior de dezembro, a Opep decidiu manter inalterada sua produção de petróleo, que já por si é superior à cota oficial que o cartel fixou, o que também contribuiu para acelerar a queda das cotações.


Ações da Petrobras caem forte e Bovespa renova mínima desde 2009

 

Fonte - G1

Fotográfo - Divulgação

 
 
 
 
 
Portaljipa © Direitos Reservados - Conheça os nossos Termos de uso
Portaljipa - Seu guia virtual! - 27.316.530/0001-08