• Expojipa2 019
  • Universidade Unopar Polo Ji-Paraná
  • Viva Bela Cosméticos
  • Odonto Malini
  • Materjipa Materiais para Construção
  • Dr. Flavio Carlos Otorrinolaringologia
  • Chácara da Sefin
  • Auto Escola Norte
  • Como China pode responder aos EUA na guerra comercial?

    'Armas' econômicas que China pode usar na guerra comercial com EUACC0: Uma delas são os US$ 1,2 trilhões (R$ 4,7 trilhões) de dívida do governo dos EUA. A China continua sendo o maior detentor mundial de estoque do Tesouro dos EUA. Se a China parar de comprar novas obrigações, ou começar a vender as antigas, ela pode fazer cair os preços dos títulos da dívida americana.

    Economia
    6 minutos de leitura

    Paulo Portaljipa EM 13/05/2019 ÀS 15:54:23

    Como China pode responder aos EUA na guerra comercial?

    O presidente dos EUA, Donald Trump, elevou as tarifas sobre produtos chineses no valor de US$ 200 bilhões (R$ 791 bilhões) de 10 para 25% e ordenou que fossem preparadas 25% das tarifas sobre as importações chinesas restantes. A última rodada de negociações comerciais entre os dois lados acabou sem acordo. Como pode responder a China?

    Apesar de o chefe da delegação chinesa, Liu He, e os principais negociadores do lado americano terem dito que a reunião decorreu de forma construtiva, ficou claro que a situação não é fácil. A estadia da delegação chinesa em Washington foi reduzida para dois dias. Além disso, a etapa principal das negociações durou apenas uma hora e meia e o presidente dos EUA, Donald Trump, não se encontrou com Liu He após as negociações. As partes declararam que as negociações prosseguirão posteriormente, mas não fixaram uma data para a nova reunião.

    Imediatamente após a introdução de novas tarifas pelos EUA, o porta-voz do Ministério do Comércio chinês, Gao Feng, disse que, embora não haja vencedores na guerra comercial, a China será forçada a introduzir medidas de retaliação contra os EUA.

    Mais tarde, o Ministério das Finanças chinês anunciou que, a partir de 1º de junho, iria introduzir tarifas de retaliação sobre as importações de bens provenientes dos EUA no valor de 60 bilhões de dólares. O montante dos direitos aduaneiros sobre as diferentes categorias de produtos varia entre 5 e 25%.

    No entanto, é pouco provável que a China se limite a introduzir direitos aduaneiros compensatórios. Devido aos desequilíbrios comerciais, a China não pode dar uma resposta simétrica, mas tem outras opções. Uma delas são os US$ 1,2 trilhões (R$ 4,7 trilhões) de dívida do governo dos EUA. A China continua sendo o maior detentor mundial de estoque do Tesouro dos EUA. Se a China parar de comprar novas obrigações, ou começar a vender as antigas, ela pode fazer cair os preços dos títulos da dívida americana.

    Como resultado, os EUA terão muito mais dificuldade em servir a sua dívida e as empresas e mutuários individuais terão mais dificuldade em obter crédito. No entanto, a China só pode tomar esta medida como último recurso. Não existem praticamente alternativas de investimento aos títulos do Tesouro dos EUA no mundo. Além disso, a própria China precisa de reservas cambiais para manter a estabilidade de seu sistema financeiro, disse à Sputnik China Liu Ying, pesquisador do Instituto Chunyang de Pesquisa Financeira da Universidade Popular da China.

    "A China não tem de descartar a sua dívida americana. Primeiro, a China não é a Europa, Japão, Alemanha ou Rússia. O PIB da China é de 90 triliões de yuan, o seu PIB é superior a US$ 3 trilhões (R$ 11,8 trilhões) e a China tem uma grande economia. Agora, o problema entre os EUA e a China não é o déficit comercial."


    O especialista adicionou que não se pode dizer que, se agora fosse a China quem tivesse o déficit comercial não haveria guerra comercial. A China pode ter um superávit comercial, mas o lucro ainda ficaria nos EUA. Esta situação da balança comercial é o resultado da divisão internacional do trabalho, que é um resultado da complementaridade das cadeias produtivas.

    "O dólar é a moeda mundial. Só em condições de déficit da balança de pagamentos se pode exportar dólares. Portanto, há mais de cem países no mundo com os quais os EUA têm desequilíbrios comerciais. Os EUA não podem travar guerras comerciais com todos. E depois, de qualquer forma, a balança de pagamentos não poderá mudar na direção oposta, o que também está completamente excluído no caso da China."

    Liu Ying explica que não faz sentido travar uma guerra comercial com a China. Os EUA estão simplesmente negociando com a China usando o pretexto da guerra comercial, tentando conseguir para si mesmos melhores condições.

    "Em segundo lugar, temos espaço interno suficiente e a estabilidade também é grande. Temos uma grande economia, um grande mercado, boas perspectivas de desenvolvimento. Já não dependemos inteiramente das exportações, a procura interna está se tornando a força motriz do nosso crescimento", disse.


    Para o especialista o consumo interno já contribui em mais de 60% para o crescimento do PIB, o setor dos serviços já está se aproximando da indústria e está também a se tornar um motor do crescimento. Isto é especialmente importante na era da inteligência artificial, uma vez que o sector de serviços depende fortemente dos recursos humanos. Portanto, o desenvolvimento do setor de serviços tem grande potencial.

    "Também contamos com o crescimento econômico das inovações. A ciência e a tecnologia também contribuem com quase 60% para o crescimento do PIB. Por isso, no contexto do desenvolvimento do sector de serviços, também prestamos atenção ao desenvolvimento do mercado, ao crescimento econômico, à ciência e à tecnologia. Portanto, não temos medo de uma guerra comercial", acrescenta Liu Ying.

    Para o analista, a China tem mais de US$ 3 trilhões (R$ 11,8 trilhões) em reservas internacionais. E eles são necessários. A China é um grande país e precisa de grandes reservas com as exportações e importações totalizando no ano passado 30 trilhões de yuan (R$ 17,3 trilhões), e por isso China precisa de manter uma certa quantidade de reservas. Para ele, a China não pode, como alguns países, livrar-se completamente das suas reservas, mas não se limitará provavelmente a uma única medida.


    Susan Shirk, ex-assistente adjunta do secretário de Estado norte-americano, destaca que as medidas restritivas sobre o fornecimento de produtos agrícolas dos EUA são muito prováveis. Medidas semelhantes já foram tomadas pela China durante a deterioração das relações com outros países. Por exemplo, a China proibiu o fornecimento de sementes de canola canadenses, suspendeu o fornecimento de carne de suínos de dois dos maiores produtores de carne de suínos do Canadá. É evidente que, em todos os casos, foram impostas restrições ao fornecimento por razões específicas.

    No entanto, todos estes atrasos coincidiram no tempo com os problemas nas relações entre os países. Finalmente, a China pode compensar os efeitos da imposição de direitos através da desvalorização da taxa de câmbio do yuan. De acordo com Bo Zhuang, um economista da TS Lombard que é citado pelo WSJ, se forem impostas tarifas de 25% sobre todas as exportações chinesas, a China teria de baixar sua taxa do yuan para 7,6 por dólar.

    Durante as rodadas anteriores de negociações comerciais, a China prometeu aos EUA manter sua taxa de câmbio em um nível estável para não criar artificialmente vantagens competitivas para suas empresas. No entanto, se as regras do jogo mudaram e não se chegou a acordo, nada impede o Banco Central chinês de rever sua política monetária.

     

    Fonte - Sputnik Brasil

     
     
     
     
     
    Portaljipa © Direitos Reservados - Conheça os nossos Termos de uso
    Portaljipa - Seu guia virtual! - 27.316.530/0001-08