• Materjipa Materiais para Construção
  • AABB-JIPA - Associação Atlética Banco do Brasil
  • Supermercado Irmãos Gonçalves
  • Q FOME
  • Viva Bela Cosméticos
  • Odontologia Drº  Thiago Ribeiro
  • O futuro do agronegócio brasileiro com Trump

    Os EUA são muito mais concorrentes do que clientes A vocação para o agronegócio do Brasil mostra que o pais sob o comando de Donald Trump  é  o maior co...

    Agronegócios
    4 minutos de leitura

    Paulo Portaljipa EM 11/11/2016 ÀS 14:21:09

    O futuro do agronegócio brasileiro com Trump

    Os EUA são muito mais concorrentes do que clientes



    A vocação para o agronegócio do Brasil mostra que o pais sob o comando de Donald Trump  é  o maior concorrente dos produtores rurais . É importante olhar  dados sobre  o Intercâmbio Comercial do Agronegócio (do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, (dados de  2013), apenas 5% de nossas exportações agrícolas vão para os EUA. A China participa com 24%, a União Europeia com 21% e diversos países com os demais 50%.


    Em 2013, o Brasil exportou US$ 86,6 bilhões e importou US$ 12,5 bilhões. Resultou um saldo positivo de US$ 74,1 bilhões. A participação americana no saldo foi de 3,5% e da China de 26,5%.


    Do total de importações (US$ 12,5 bilhões), os itens mais significativos foram: trigo (EUA, Argentina, Canadá); bebidas alcoólicas (África do Sul, Chile, Japão, União Europeia); pescados congelados (Chile, Marrocos, Tailândia, Taiwan, Vietnã); óleo de palma e dendê(Colômbia, Indonésia, Malásia).


     Assim,  no Brasil  temos 90% do que vêm da Rússia são Waffles; 50% do Egito, algodão especial para roupas de cama; 60% da Índia, de óleos essenciais, algo que pode parecer estranho.


     Contra o crescimento da produção e da produtividade da próxima safra, 2016,  conforme previsto por Conab e IBGE,  e como se justifica  a queda de 22% (defensivos) e 7% (fertilizantes químicos) em consumos e vendas?


    Antes,  os produtores brasileiros  estavam usando e gastando mais do que o necessário? Sustentabilidade é a palavra do agro,  conscientização dos agricultores em reduzir custosas aplicações associando-as a produtos mais baratos, de extrações orgânicas e naturais. Mas a era Trump, vê essa estratégia como uma  ameaça a seus mercados.


    O Brasil deve colher 210 milhões de toneladas de grãos, 1,3% a mais do que em 2015. Mesmo com toda a crise, a área plantada crescerá 1% e o valor bruto da produção está estimado em R$ 515,2 bilhões.


    Uma das principais revistas do agronegócio brasileiro teve como manchete  “A corrida do milho: demanda explode e faz preço disparar”. Há 20 dias as cotações do mercado futuro, em Nova York e Chicago, para café, soja e milho, não param de subir.


    A vitória de Donald Trump está gerando preocupação no mercado global, especialmente em relação à falta de previsibilidade que investidores enxergam no perfil do republicano. O dólar à vista abriu com alta superior a 2% e saiu dos R$ 3,17 para R$3,24 na máxima da manhã . O ambiente de mais nervosismo pode afetar as commodities agrícolas negociadas no mercado futuro internacional, o mercado de câmbio e num futuro próximo há quem veja efeitos na dinâmica do comércio global.


    Em consultas com economistas, analistas de mercado e especialistas os temas são os efeitos no mercado de câmbio com tendência de alta para o dólar frente ao real. Como será o mercado de câmbio com análises mais extremistas apontando que a presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, pode abandonar o cargo em razão de diferenças com Trump. Além de mais aversão ao risco e demanda por dólares que são considerados ativos mais seguros


     As commodities agrícolas que são consideradas ativos mais arriscados e podem sofrer fuga de capitais, ou seja perder investimentos. Tendo a dinâmica de comércio mundial com expectativa de que Trump seja mais protecionista, o que poderia afetar as negociações internacionais em mercados como a pecuária  brasileira que depois de anos voltou  a exportar carne in natura para os EUA.


     Na cafeicultura o Brasil é um dos principais exportadores do produto para a maior economia do mundo, como serão os efeitos, retração nas compras de alta qualidade ficando a preferencia para os cafés de países que oferecem preços inferiores em qualidade e preço?


    O republicano Donald Trump venceu graças a votação maciça que obteve nos estados do cinturão agrícola americano que já recebem incentivos e subsídios.


    É preciso ser cauteloso no primeiro momento e audacioso no longo prazo, ir em busca de mercados ainda não explorados e que talvez até desconheçam os produtos agrícolas brasileiros.


    *Valéria Vilela é jornalista especializada no agronegócio com ênfase no mercado de café. 


    Autoria: Por Simone Bertelli


     

    Fonte - Assessoria

    Fotográfo - Divulgação

     
     
     
     
     
    Portaljipa © Direitos Reservados - Conheça os nossos Termos de uso
    Portaljipa - Seu guia virtual! - 27.316.530/0001-08